SEJAM TODOS BEM-VINDOS!

sábado, 3 de dezembro de 2011

OS BICHOS ENCANTADOS DO MARAJÓ


OS BICHOS ENCANTADOS DO MARAJÓ

Baixando o rio, em direção a Laguna, uma localidade distante de Breves, já "pras bandas" de Portel, ia Tio Cabra com sua família, numa canoa a remo. Iam fazer farinha para trocar com alguma comida. No entanto, o que mais nos interessa é o fato ocorrido no caminho da jornada da família Soares até seu destino. Por favor, não se espante com o caso que vou lhes contar. Alguns podem achar que é uma inverdade, mas para os moradores do outro lado dessa imensa ilha é verossímil o que conto. De onde moravam, até onde iam fazer a tal farinha d'água, eram seis horas de remo, isso a favor da maré, mas o "caboco" tinha que ser bom de braço pra garantir a jornada. Antes que me perguntem, para que tanto sacrifício? É que nessa época se praticava aquela velha prática de troca de alimento. Era muito comum a troca de comida, um alqueire de farinha por um fardo de jabá, por exemplo, entre os moradores vizinhos. Isso mesmo, apesar da distância, as pessoas costumam tratar as outras conhecidas de vizinhos. Eu mesmo tenho uma vizinha que mora no Camará, um lugar mais ou menos 15 Km de onde moro. Toda vez que ela me encontra solta aquela frase agradável aos ouvidos, em meio de um sorriso sincero: Ei - vizinho!
Pois bem! no meio da viagem, eles pararam numa casa a beira do rio para esquentar a comida que levavam. Tinham saído cedo por causa da maré. Era quase meio dia, precisavam parar e comer alguma coisa.
Tio Cabra encostou a canoa na ponte, uma tora de madeira escorada no barranco do rio. Gritou para verificar se havia alguém na casa e ouviu uma resposta. Desceu sozinho. Aproximou-se da casa . Parecia deserta. Pensou que se tratava de uma "tapera" - casa abandonada no meio da mata cuja crendice popular afirma ser mal assombrada, porque todos que ali moravam já morreram - mas havia fumaça saindo por detrás da casa, então havia alguém ali. Deu outro grito:
- Ô di casa! E ouviu de imediato um "pode entrar!".
Gritou outra vez:
Ô di casa! E ouviu novamente a frase.
Mas não enxergou ninguém. Será visagem que mora nessa tapera? Pensou o intruso.
Subiu os primeiros degraus da escada da casa, olhando pra cima, de um lado para o outro e não enxergava ninguém. Falou mais uma vez:
Ô di casa!
E bem perto do seu ouvido, escutou aquela resposta. Nessa hora arrepiou-se. Todos os cabelos de sua cabeça ficaram pra cima, sumiu até a cor do beiço. Quando levantou a cabeça avistou um papagaio. Não sou expert no assunto, mas se tratava de um daqueles de testa amarela, que aprendem a falar tudo facilmente. Ficou impressionado. E não é pra menos. Como um animal daquele podia ser tão esperto, tão sabido?
- Cadê teu dono? Perguntou TioCabra.
E ouviu do empenado:
- Tá pra roça, curupaco, tirando madioca, curupaco! Disse o bicho.
Pensou já ter visto tudo na vida, mas isso ficaria marcado para sempre na sua memória. Depois de refletir, rapidamente, sobre o acontecido, voltou a realidade e lembrou-se que estava ali para arrumar fogo para esquentar a comida que traziam.
Olhou para o fogão de lenha onde uma panela fervia incessantemente.  Devem ter deixado a comida aprontando. Não estavam então tão longe os moradores daquele lugar misterioso. Chamou sua esposa que aguardava uma resposta para o pequeno entrava:
- Ei mulher, traz a comida pra esquentar, aqui tem um fogo pronto!
Ficou esperando ela chegar. Enquanto esperava, bateu no bolso da camisa, procurando o tabaco para enrolar um porronca. Achou o tabaco. Pegou a palha do milho, usado como abade e começou a enrolar. Passou a língua para grudar a palha. Bateu novamente nos bolsos, agora procurando o fósforo, que por acaso não trouxera e de repente ouviu o tal papagaio gritar:
- Chico! Chico traz o fogo pro homi, curupaco!
Nessa hora pensou ser brincadeira de muito mau gosto. Até riu meio sem graça. Mas eis que de dentro da mata surge um macaco prego, aparência de primata velho. Foi até o fogão de lenha e pega um tição. Coloca-o bem na frente do assustado visitante, na posição exata para acender o cigarro de palha. Tio Cabra ficou estático, pensando se aqueles animais não seriam encantados, pessoas que foram transformadas naqueles bichos. Não havia uma explicação para aquilo. Procurou uma resposta, não encontrou. Disse obrigado e da ave ouviu um "de nada!".
Quando pensou já ter acabado aquele momento, mistura de emoção e medo, um momento "fantasmático", o animal empenado  deu uma ordem aopeludo, dizendo:
- Chico tá acabando o fogo, curupaco, coloca lenha, coloca lenha, curupaco!
O macaco prontamente pula do beiral da casa, pega um pedaço de perna de calça, tira a panela de cima do fogo, pega uns pedaços de lenha pronta que se encontrava debaixo do fogão e coloca em cima  da brasa ardente, coloca novamente a panela, começando a abanar com abano de palha até o fogo estalar.
Isso foi demais para Tio Cabra e sua mulher que observavam toda aquela arrumação.
- Vumbora mulher, só pode ser coisa do outro mundo! disse o marido muito assustado.
Pegaram suas coisas e saíram às pressas daquele lugar e nunca mais voltaram lá. Dizem que não voltaram porque nunca mais encontraram a tal tapera. Ela desapareceu, como imaginação nas curvas dos rios desse imenso Marajó.

******



DE: Mais um escritor sem livro - Daniel Nicácio


*

Nenhum comentário:

Postar um comentário