SEJAM TODOS BEM-VINDOS!

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Vila de Jenipapo - Santa Cruz do Arari - Marajó

Vila de Jenipapo - é a maior vila do município, os moradores vivem três períodos bem definidos que são: seca, cheia e lama, as casas são todas palafitas, construídas quase todas de madeiras.
O nome JENIPAPO, significa fruto das pontas, nome tupi-guarani.


Da janela da minha palafita, sinto em meu rosto, um vento frio e um borrifo chegando, entrando pelas brechas das tábuas e na cumeeira assoviando, folhas no céu fazem corrupio, é mais um inverno que está chegando, a chuva cai sobre o telhado da casa, e aquele cheiro de verão se evaporando, as montarias na beira do rio no banzeiro vão se aconchegando, o algodoeiro entranhando na "terruada" ainda resiste, e o "juquirí" vem se fechando, um degrau da escada já foi pro fundo e o limo esverdeando, o mururé lambe o esteio da casa, como se estivesse a sua saudade dele matando e o aruá deixando sua ova cor-de-rosa, no esteio da palafita "bubuiando", agora tudo é água, do jirau me vejo nela, a minha alma cabocla nesse instante se revela.
Autor:Giovanni Gama





*Fotos de Giovanni Gama



sexta-feira, 20 de setembro de 2013

CABOCL@RTES 52

Lua Cheia - Óleo sobre tela 50 X 90

*Em noite de lua cheia, muitas lendas pra se contar, uma delas vale lembrar: Matinta Perêra!

MATINTA PERÊRA
Lúcio Sarmento

Cuida homem incauto,
Com as noites de lua cheia!
Noite calma, visagenta!
Vem surgindo no horizonte
Horripilante feiticeira
Gargalhando sua fúria.
É a Matinta Perêra!

O assobio assustador
Faz o sangue gelar na veia!
No peito do viajante
Grande temor desencadeia.
O rosto traz encoberto
Por aviltante cabeleira.
Unhas grandes, vestes negras.
É a Matinta Perêra!

Voa por sete cidades.
Um horror, macabra, feia...
Ataca sem dó, nem piedade!
Em noite escuras vagueia.
Chega sem dar uma chance.
Ataca! Amedronta! Ligeira!
Espanca o pobre coitado.
É a Matinta Perêra!

Aqui tem lendas; visagens
Quem conhece não bobeia,
Foge da Mula e do Toco,
Do Pretinho da Bacabeira.
Corra do Boaventura!
Não duvide! Não é brincadeira!
Mas, da que mais eu tenho medo
É da Matinta Perêra!

*
AUTOR: José Lúcio Sarmento Alves, nasceu no dia 17 de Dezembro de 1965, na Fazenda Paraíso, no município de Salvaterra - Marajó - Pará. É formado em Letras e Artes, pela UFPA. É professor de Literatura e Artes na Rede Estadual de Ensino. Reside na cidade de SOURE - Marajó. É escritor contista, poeta, compositor e dramaturgo. Em 1995, fundou o GRUTEMA - Grupo de Teatro Marajoara - onde atua, dirige e escreve peças.Em 1996 foi Menção Honrosa no IV concurso de contos da Região Norte, realizado pela UFPA, participando da Antologia II Contista da Amazônia. Em 2002 ajudou a fundar o Clube do Poeta e do Escritor Marajoara - CPOEMA - do qual foi presidente. Em 2007, o Clube lançou sua primeira antologia.Compôs o hino do município de Soure,, escolhido em concurso. Recentemente teve seu livro de poesia Na Lira Plangente lançado pela Corpos Editora, que publica novos autores em Portugal. Possui obras inéditas à serem publicadas, como: A Lenda do Vaqueiro Boaventura(conto); Na Teia da Fé(romance policial); O Dono do Destino(poesia); Wlad, o Imperador(infantil); Um Rei para Akimera(infanto-juvenil); Mutant World(fan fic).

sábado, 7 de setembro de 2013

CABOCL@RTES 51

INVERNADA - óleo sobre tela 20 x 40 - releitura de uma foto de Hely Pamplona, RIO DE MATO.

* No inverno os campos do Marajó ficam alagados, onde corriam os cavalos, somente canoas empurradas com varas deslizam sobre as folhagens à flor d'água.


Zezinho Viana, artista da terra, retrata muito bem neste trecho de  sua canção Invernada Marajoara:

"Numa canoa pequena
nos campos vou navegar
não vejo mais terroadas
só um imenso e vasto mar

Com a folhagem à flor d'água
varas que vão empurrar
belas vistas apuradas
para poder contemplar"

CULTURA MARAJOARA: HIDROVIA DO MARAJÓ VS. ECOVIA TRANSMARAJOARA

CULTURA MARAJOARA: HIDROVIA DO MARAJÓ VS. ECOVIA TRANSMARAJOARA: Amazônia Marajoara, ocupando a cabeça iluminista da tecnoburocracia do Brazil, é uma "ilha" com IDH de fazer corar um frade de pe...